Digite abaixo o que você procura

Como utilizar a iluminação para ampliar espaços e dividir ambientes

7 de dezembro de 2020

Na hora de decorar a casa e projetar os ambientes, muita gente se limita às soluções tradicionais, como móveis e painéis vazados. Mas você sabia que há uma forma ainda mais divertida (e barata!) de trabalhar os cômodos? Hoje vamos mostrar como você pode utilizar a iluminação para ampliar a sensação de espaço da sua casa ou apartamento. 

Além disso, daremos algumas dicas que você pode seguir para tornar os ambientes mais definidos. Tudo isso usando apenas a luz correta! 

Como utilizar a iluminação para ampliar os espaços

A amplitude percebida de um ambiente é essencial para a qualidade de vida, principalmente quando consideramos que os imóveis menores são uma tendência nas grandes cidades. Desejando criar ambientes mais espaçosos, muita gente investe em reformas e na derrubada de paredes, o que pode custar bem caro dependendo da planta e do tipo de material utilizado na construção. 

Em muitos casos, mudanças nas cores do ambiente e um projeto de iluminação adequado podem criar toda a sensação de espaço desejada, sem a dor de cabeça da reforma. Por isso, nossa primeira dica é planejar com atenção o espaço. Verifique com cuidado as medidas e principalmente a forma como o cômodo recebe iluminação natural ao longo do dia (seja por janelas ou pela porta). Tendo essas informações é possível definir a quantidade, posição e o tipo das lâmpadas. 

Há profissionais especializados nesse tipo de projeto, mas se você não puder recorrer a um, outra dica é consultar lojas especializadas em iluminação. Os vendedores saberão indicar algumas opções de luminárias e a quantidade de luz necessária. 

Apenas uma luz? Nada disso!

Uma boa iluminação tem uma correlação direta com a sensação de espacialidade de um cômodo. Quanto mais escuro ele for, maior será a sensação de aperto – e é por isso que os espaços parecem menores do que são de verdade durante a construção de uma casa, quando ainda não há acabamento algum nas paredes e no teto. 

Para garantir a boa iluminação, nunca utilize uma única luminária no teto. Isso cria muitas regiões de sombra, deixando vários pontos com iluminação irregular. Em vez disso, trabalhe a iluminação central e periférica usando plafons, spots, lâmpadas de embutir e luminárias. Dê atenção especial aos cantos do cômodo para não deixá-los no escuro. 

Trabalhe com as diferentes camadas de iluminação

Partindo da dica anterior, outro ponto que destaca a necessidade de uso de diferentes fontes de iluminação é a iluminação em camadas. O cômodo com um único ponto de iluminação revela toda a informação de uma só vez, sem o destaque adequado para cada uma de suas partes. 

Instalando Spots e luminárias localizadas, você cria uma iluminação mais tridimensional, que não apenas clareia o ambiente, mas também destaca cada elemento de forma individual, de modo que o observador perceba maior profundidade. Essa é a combinação entre a iluminação geral, iluminação ambiente e iluminação específica. 

O poder das fitas de LED

Falando em iluminação específica, uma das melhores opções disponíveis hoje para realçar pontos específicos é a fita de LED. Essa peça pode ser facilmente instalada em prateleiras, forros e móveis, abrangendo pontos que antes ficavam no escuro. 

As fitas também podem realçar a espacialidade do cômodo quando instaladas em conjunto com acabamentos de gesso, criando novas formas no teto. Outra grande vantagem é que elas são extremamente compactas, de modo que não consomem espaço desnecessariamente. Muitas vezes, elas chegam a ficar praticamente invisíveis, exibindo apenas um belo efeito por trás dos móveis. 

Um tamanho de luminária para cada ambiente

Em ambientes com pé-direito mais baixo ou com acabamento em gesso, as peças embutidas são praticamente obrigatórias, uma vez que luminárias muito grandes podem acabar diminuindo o ambiente. Isso é especialmente válido para lustres e pendentes, itens que podem acabar comprometendo a estética quando são instalados na proporção inadequada. 

A dica é usar uma peça ou outra do sistema de iluminação como destaque, complementando com elementos mais discretos que não poluam o visual geral. Novamente, as lâmpadas de embutir são excelentes por não ocupar espaço e ficar em segundo plano, sem deixar de cumprir uma função essencial. 

Destaque a verticalidade do ambiente

Ambientes estreitos e altos não são incomuns. Neles, uma boa opção para criar a sensação de espaço são as chamadas Wall Washing e Wall Grazing, técnicas que literalmente banham as paredes com luz, atraindo o olhar do observador para um plano mais vertical. Isso destaca objetos e principalmente as texturas aplicadas na superfície. 

A técnica é especialmente útil com luminárias pendentes e peças artísticas, como quadros. Arandelas e spots na parede também ajudam a guiar o olhar de baixo até em cima, criando a ilusão de um ambiente maior. 

A temperatura da cor dá o calor

É muito comum o uso de lâmpadas com tons mais brancos em ambientes pequenos, utilizando-se temperaturas de cor entre 4.000 e 6.500 Kelvin. O objetivo é justamente tentar passar a impressão de claridade. Isso é especialmente válido para locais como bancadas de trabalho, cozinhas e banheiros. 

Contudo, saiba que nem todos os ambientes combinam com esses tons. Salas de estar, de jantar e quartos se beneficiam diretamente de uma lâmpada mais amarelada. A explicação é que a luz amarela traz uma sensação de conforto e relaxamento necessária para esses ambientes, enquanto a luz branca nos mantém mais atentos e focados. 

A dica para balancear as coisas é trabalhar com móveis e paredes em tons claros, mas não necessariamente frios. Madeiras leves em tons de freijó, por exemplo, podem trazer a cor necessária mesmo quando utilizado um branco neutro. Tudo vai da combinação realizada. 

Falando em temperatura, tome o cuidado de não utilizar lâmpadas que esquentam demais, justamente para não criar tornar o local abafado e desconfortável – o que também contribui para a percepção de espaço, segundo a arquiteta Manuela Lolato, em entrevista ao Correio Braziliense. 

Invista na decoração!

Depois de trabalhar na iluminação, a última etapa é a decoração. Priorize peças claras, sempre intercalando com alguns toques de cor para não deixar o local sem graça. Muitos designers ressaltam que as formas retas nos móveis e nos acessórios também ajudam na sensação de amplitude. 

Outro curinga são os espelhos, que enganam nossos olhos criando reflexos importantes principalmente em salas de jantar, quartos e corredores mais apertados. Apenas certifique-se de que nenhuma luminária está virada diretamente para eles, algo que pode ofuscar a visão.
Fontes: Arch Daily, Correio Braziliense